RuPaul’s Drag Race – Fim da oitava temporada

tumblr_o7athepa2c1vsrxs9o1_540

Na altura do terceiro episódio (ou quarto? ou quinto?) eu escrevi aqui que a oitava tinha potencial para ser a melhor temporada de RuPaul’s Drag Race. Não foi. Se você nunca viu Drag Race, dá uma lidinha naquele texto, mas, se você é fã de longa data e acompanhou a temporada de Bob The Drag Queen e cia, acho que vai concordar que Bianca Del Rio e grande elenco ainda não foram superados. (Se você ainda não chegou ao último episódio, se aguenta que vão vir spoilers.)

A oitava foi a primeira temporada que eu acompanhei semanalmente. Antes, eu havia maratonado ou chegado muito tarde. Eu também tinha o péssimo hábito de não acompanhar o Untucked. Agora, tudo isso foi consertado. Acho que o acúmulo dessas novidades fez minha empolgação aumentar nos primeiros capítulos. Naquela altura, o trio de Nova Iorque (Bob, Thorgy Thor e Acid Betty) dava a impressão de que iria reto até o Top 3. Para ser sincera, entre as três eu achava Bob a mais fraquinha. Os visuais dela me pareciam um pouco básicos, e quando ela se destacava nas performances de teatro ou dança, eu era do time que achava que Thorgy estava sendo injustiçada. E ainda acho isso: no terceiro episódio, aquele do teatrinho com tema da série Empire, Thorgy Thor mandou melhor que Bob: para mim, ela foi mais engraçada que sua competidora sem colocar os dois pés no exagero. (Vários capítulos depois, Michelle Visage me vingaria ao dizer, muito educadamente, que Bob era exibida além da conta.)

Até ali Thorgy estava sendo injustiçada. Não tinha vencido um desafio sequer e era pouco elogiada. Eu tinha a impressão de que os juízes faziam de propósito para alimentar a competição e não dar a ela a impressão de que chegar ao Top 3 seria fácil. Olhando para umas drags tão fracas como Cynthia Lee Fontaine e Derrick Barry, eu achava que só uma hecatombe tiraria Thorgy da disputa pelo primeiro lugar. Mas o pior aconteceu: a edição foi mostrando uma Thorgy cada vez mais frustrada, neurótica e amarga, os visuais (e as ideias por trás deles) não eram aquela maravilha, e a minha torcida inicial miou. Miou e migrou: foi para a Kim Chi.

tumblr_o7clzqjesz1si3tc1o1_540

Kim Chi é o contrário daquilo que uma pessoa pouco informada vai imaginar ser uma drag queen. Ela não é exatamente tímida, mas é um pouco retraída quando o assunto é performance, mal sabe andar na passarela e é um desastre na dança, tem a língua presa, fala baixo, chora fácil. Nos primeiros capítulos eu imaginava que seria impossível ver RuPaul coroar uma drag assim, mas Kim Chi vinha mostrando looks e conceitos impressionantes. Nenhuma outra drag dessa edição conseguiu acompanhá-la quando o assunto era criatividade. Quando o desafio era desenhar roupas e bolar maquiagens bonitas, ela nunca se enrolou, mas seria muito difícil que vencesse: para ser a “america’s next drag superstar”, a drag precisa de presença, cara de pau, versatilidade – todas as qualidades que compõem o que se espera de uma drag queen. Quem acompanha as competidoras de edições passadas nas redes sociais sabe que elas rodam o mundo em apresentações, eventos, números teatrais e de stand-up comedy, desfiles de moda. Kim Chi é um tipo diferente. Se ela vencesse, haveria uma interessante mudança de perspectiva. Ela é jovem e o conceito por trás do que faz como drag reflete vários aspectos culturais que a gente vê por aí hoje em dia: ela tem a coisa do anime e da cultura da internet, e isso tudo contou para que chegasse tão longe, mas eu imaginava, desde cedo, que as muitas lacunas que tinha em sua formação a impediriam de levar o grande prêmio.

Pois é. Não levou. Eu até alimentei esperanças, mas uma competidora muito forte tinha feito todo o beabá, mesmo que na maior parte das vezes não me empolgasse pessoalmente. Diante do que aconteceu na temporada, seria injusto não dar a coroa a ela, Bob The Drag Queen. Com uma pegada “atriz do Zorra Total” nas atuações, looks que vão do mais ou menos ao bacaninha, e com muita inteligência e criatividade nos textos e nas respostas improvisadas, além de bastante carisma (foi o que os jurados pensaram) e tranquilidade, Bob fez a limpa. Ela ganhou três desafios, foi bem em outros, se mostrou bacana e muito preparada para tudo o que acontecia na competição, e mesmo assim não foi aquela drag para guardar no coração.

tumblr_o73mhuxl6n1rpaylno4_400

O fato de Bob haver se mantido como a drag a ser batida, sem que ninguém conseguisse de fato ameaçá-la – especialmente depois das saídas de Thorgy e Acid Betty -, deixou a competição morna em alguns sentidos. Isso não comprometeu a qualidade do entretenimento, mas me impediu de criar aquele laço especial com as protagonistas da série. Naomi Smalls melhorou, é verdade, e teve um desempenho surpreendente, mas não fez nada de muito memorável; a edição criou para Chi Chi DeVayne aquele arco sobre a superação das adversidades financeiras e de autoestima, mas ela era repetitiva e um pouco chatinha; não havia nem como competir com Kim Chi no departamento dela, mas o departamento dela não era exatamente o que RuPaul & Cia estavam buscando. No fim das contas, a falta de reviravoltas e superações fez com que a temporada ficasse sem grandes momentos. Nesse sentido, acho que as características de Bob The Drag Queen ilustram bem o que essa temporada foi para mim: Bob é engraçada, mas não tão engraçada quanto Bianca Del Rio; arrasou as competidoras, mas não tanto quanto Bianca Del Rio; teve bons momentos mas nada tão legal quanto os da temporada de Bianca Del Rio. Em suma, a oitava temporada foi boa mas não se compara à sexta.

Sobre a edição que acabou nessa semana, eu vi várias pessoas reclamando dos critérios de RuPaul. Algumas drags foram vistas com mais, digamos, benevolência do que outras. Algumas tiveram mais chance de errar do que outras. Alguns defeitos foram ignorados em nome de uma historinha mais reta e sem complexidade, mas no fim das contas, com essas competidoras, qualquer outro resultado teria sido injusto. Fico na torcida, agora, assim como todo mundo, por uma nova temporada de All Stars.

Anúncios

2 comentários sobre “RuPaul’s Drag Race – Fim da oitava temporada

  1. Arthur Tertuliano disse:

    Eu fui pra final achando realmente que QUALQUER uma podia vencer e que tanto fazia quem vencesse, todas eram ótimas. Sou velho nessa coisa de analisar as narrativas dos reality-shows, gostei da Bob e seu be-a-bá pra vencer (ainda que, né, fuck your purse!), mas só quando a vencedora foi anunciada é que percebi que eu era TOTALMENTE #TeamKimChi.

    Vem pra SP ver ela! Tem hospedagem na minha casinha. Certeza que vou vê-la junto com a ChiChi.

    Curtir

    • talitatl disse:

      Não sabia que ela tava com data marcada para o Brasil. Puxa, estava melhor sem saber porque não tenho a menor condição de ir 😦

      O Felipe falou que vai correr a São Silvestre e quer ficar hospedado na sua casa… hahah

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s