Love estreia na Netflix

love

O cara é normal ou feio e está sempre na dele, um tipo talentoso que ainda não teve sua grande oportunidade; a menina é linda, maluquinha e capaz de tomar as piores decisões do mundo. O cara encontra a menina. Quantas mil vezes você já viu esse casal, no cinema e na tevê? Love, série que estreou na Netflix, tentou ser uma crítica aos clichês da comédia romântica, mas acabou celebrando os aspectos mais datados do gênero – ou sem querer, ou meio que achando que a gente não ia se dar conta.

Fazia tempo que eu não sentia tanta raiva de uma série. Uma raiva que eu posso apontar para todos os lados. Para a série, para os personagens, para a história, para o criador, e sobretudo para mim, por assistir os dez episódios em um fim de semana. Mas vamos por partes.

Judd Apatow e Paul Rust escreveram a série. Rust interpreta Gus, o personagem principal, aquele que vai conseguir vencer suas inseguranças (ou sua apatia, já que a série parece sugerir que todo mundo é apático hoje em dia) e ficar com a garota. Claro, a garota é muita, mas muita, mas muita areia para o caminhão dele, bem ao estilo de produções de homens feitas para homens. Tudo bem, eu sou a primeira a dizer que a televisão tem que mostrar gente que se pareça com gente, mas quando esse parâmetro parece reservado aos protagonistas masculinos não tem como disfarçar o incômodo. Gus está cercado de mulheres lindas, e ele é tipo um Geddy Lee que cortou os cabelos. Mickey, a menina excêntrica que só toma decisões ruins, é interpretada por Gillian Jacobs, que muita gente conheceu em Community. Ela é a típica garota do dedo podre. Isso até faz sentido para a personagem, mas não deixa de ser sintomático. Na cultura pop, faz uns mil anos que o homenzinho ansioso e inseguro, no fim das contas, consegue a garota – nem que seja apenas pra ela se decepcionar amargamente.

Com essas informações, a gente não precisa de uma sinopse muito completa. Garoto encontra garota já me faz parar para prestar atenção – acho que não sou a única. Sou fã de comédia romântica, mas já tenho mais do que um pé atrás com o Judd Apatow. Freeks and Geeks (que não é comédia romântica, mas é a estreia de Apatow) tem lugar especial no meu coração; até onde eu lembro, O virgem de 40 anos é legal. Todo o resto, porém, e sem exceção porque eu tô com uma aba do navegador aberta nos créditos dele no IMDB, tem aquela carinha de falsa comédia com mensagem edificante embutida. Ou melhor: aquela carinha de família de comercial de margarina dois-ponto-zero. Tem problema? Não necessariamente. Tem graça? Não.

No caso de Love, embora sem grande mensagem edificante, há uma tentativa de criticar a maneira como as pessoas se relacionam atualmente. Essa é a reviravolta aqui: de Love, só o título. O que os protagonistas buscam, quando parecem buscar amor, é outra coisa. Autoafirmação, talvez. Love parece dizer a todo momento: viu, espectador, viu?, todo mundo é egoísta, viu só? Aham, vi. Pode ser que a ideia toda seja conseguir elaborar um comentário às pessoas que estão pelos 30 anos e agem como se elas e seus relacionamentos fossem a coisa mais importante do planeta. E isso é legal e poderia dar certo – Master of None é bacaninha, Take This Waltz, com Seth Rogen e Michelle Williams, trata de coisa parecida – mas talvez, para elaborar um comentário crítico, uma série não possa estar tão inebriada por aquele mesmo aspecto romântico e tolinho que ela está tentando criticar. Assim, o que poderia ser um novo olhar sobre os relacionamentos, é só, sei lá, algo irrelevante. Não adianta ser irônico e dizer que sabe que está lidando com um clichê, poxa, tem que fazer o tema andar para frente.

No fim, eu me vi irritada por ter passado o meu tempo com pessoas tão detestáveis. Gus e Mickey são horríveis e a série sabe disso. Eles estão ali para que a gente tenha, primeiro, uma ilusão de identificação e, depois, uma espécie de insight: meu deus, sim, essa geração é uma droga mesmo. Só que televisão nunca é só o que está sendo contado, mas também a forma como se conta: Love parece apaixonada pelos defeitos dessa gente, pelos clichês que eles representam, por seu próprio senso de ironia, pelos privilégios de que aquelas pessoas gozam mesmo sendo tão ruins.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s