Ash vs Evil Dead

Ash-vs-The-Evil-Dead

Nada mais fica no passado e tudo agora é reaproveitado. Tudo é revivido e volta e pode ganhar outra oportunidade. E quem reclama? Ninguém. Pelo menos não aqui. Afinal de contas, agora que o entretenimento não vem necessária e compulsoriamente pela televisão ninguém é obrigado a ver, ler, ouvir, ou acompanhar nada. Foi com esse espírito de “oba, eu bem que veria uma série baseada em Evil Dead” que eu recebi a notícia de que teria uma série baseada em Evil Dead.

Só que as expectativas são sempre baixas. Não por nada. É quase como um mecanismo de autodefesa. Sem muita expectativa não há muita decepção. Claro que eu surtaria se fizessem um especial com o elenco de Felicity ou de Freaks & Geeks, mas Evil Dead não era uma dessas coisas que tinham entrado no meu coração. Não fui pesquisar, não fui ver teaser, não procurei nada. Fui direto da notícia para o episódio piloto para não alimentar expectativas e… poxa vida, como me diverti.

O piloto tem todas as coisas que fazem com que Evil Dead seja tão querido desde os anos 1980. É engraçado, tem gore, tem o mesmo personagem carismático, tem umas soluções muito criativas no que diz respeito à criação de cenas e às coreografias de luta. Tem o pacote completo de fan service, e isso numa série em que nada é muito sério ou muito profundo, e que não pede, também, aquele empenho especial que é necessário ter para acompanhar algumas das séries badaladas do momento.

Não sei se eu fui clara. Deixa eu explicar o sentimento. Tem certo entretenimento que às vezes parece que, ao mesmo tempo, tem vergonha de ser entretenimento e não pode ou não consegue ser nada além disso. Então eles entram numas digressões malucas, ficam fingindo umas profundidades risíveis, e aí, você, na calada da sua noite que já é curta, se pega vendo um filme do Batman em que ele está super sério olhando pra cara de alguém, todo fantasiado de morcego, fazendo vozinha grossa e, sei lá, mantendo a identidade secreta só por causa da fantasia para alguém que convive o dia inteiro com o Bruce Wayne e não consegue juntar 2 e 2. Nessa hora você ri e fala: “meu deus, como é que os caras têm vergonha de fazer um filme do Batman”? Ou um famoso seriado de zumbis. Ou um famoso seriado de fantasia com dragões e gente bonita. Não precisa ter vergonha. É válido abraçar o entretenimento. As mensagens, as sutilezas, isso daí sempre vai surgir de um trabalho bem feito.

Ash-vs-Evil-Dead-1a

Claro, tudo tem sua hora. Mas eu achei esse um grande trunfo de Ash vs Evil Dead: a série não tem vergonha de nada, nem disfarça nada, tem 30 minutos mesmo para não se esticar muito. Os três episódios que eu vi até  agora não têm enrolação e entregam à risca o que a série promete.

Nesse sentido, transformar Evil Dead em uma franquia e colocar Ash vs Evil Dead no ar serve como uma lição. Mesmo não trazendo nada de novo, mesmo ao requentar personagens e tramas, a série consegue oferecer um tipo de divertimento que, pelo menos entre as coisas que eu assisto, estava faltando. É uma despretensão que traz algumas possibilidades que fazem falta. Confesso até que, às vezes, de tanto escracho e nonsense, eu sinto medo só de olhar para a cara de um dos demônios com os quais Ash tem que lutar. Tenho certeza que isso não foi sem querer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s