Tonari no Kaibutsu-kun: Meu primeiro shoujo

Tonari no Kaibutsu-kun foi meu primeiro anime shoujo. Sempre quis ler um mangá shoujo, mas eu acavaba empurrando pra depois, e assim faço até hoje. Aí, algumas semanas atrás, vi na Netflix um anime que parecia com as coisas que eu queria ler e pensei: pronto, vou começar por aqui. Acho que comecei muito bem, não tenho ideia de como os outros animes são, mas este foi especial. Era tudo o que eu queria numa história e não sabia.

render_tonari_no_kaibutsu_kun_by_kurookamidesigns-d64xfer

Shizuku é a protagonista, sem amigos, fechada, e que se preocupa apenas com suas notas. O outro protagonista é Haru, um menino com uma personalidade bem diferente, que parou de ir à escola depois de muitas brigas com outros alunos. Shizuku é interpelada por uma professora para levar algumas tarefas escolares para Haru. Assim começa a história entre os dois, que é o centro do anime.

Haru é realmente muito diferente. Rapidamente ele se fascina por Shizuku e se diz apaixonado. Ele sente que ela é uma amiga de verdade, o que parece ser novidade para ele. Isso acaba sendo o suficiente para ele voltar para escola, e então outros personagens importantes surgem. Natsume é uma menina muito bonita, mas solitária, e sua beleza sempre a afastou tanto das amigas quanto dos meninos que não conseguem se comportar normalmente perto dela. Mas perto de Shizuku (que só tem olhos para o estudo e não se preocupa com rivalidade entre meninas) e Haru (que só tem olhos para Shizuku), Natsume consegue finalmente se sentir à vontade. Outra personagem solitária é Chizuru, a menina tímida e ansiosa que não consegue se relacionar com as pessoas.

Duas coisas me fizeram gostar muito do anime. O relacionamento de Shizuku com Haru e o relacionamento de todos no grupo. Senti que o ponto principal era a solidão. Todos os personagens – cada um de um jeito – eram solitários.  Shizuku é solitária, mas não parece se incomodar com isso. Ela cresceu sem a mãe por perto, apenas com o pai, e seu único objetivo sempre foi estudar muito. Viver desconectada, mesmo  que por opção, acabou fazendo dela uma pessoa bem mal-humorada, com pouca tolerância para pessoas frágeis.

Haru também é solitário, mas acho que no caso dele é mais fácil de explicar. A personalidade de Haru vai além dos meninos bad boys. Ele parece ter dez anos de idade em alguns momentos. E suas atitudes se encaixam com alguém com um leve grau de autismo. Não entendo dessas coisas, e isso é só um chute, mas acho que pensando assim fica mais fácil de entender o personagem. Na história fica bem claro que ele se expressa através de brigas por não entender isso como algo errado. Ele sempre diz coisas inadequadas sem ter a intenção. Shizuku precisa  trazê-lo à realidade, como quem diz “viu, isso é errado”. 

O anime é baseado no mangá de doze edições normais e uma especial. Não sei até que ponto a produção para tevê é fiel ao mangá, e parece que o anime não teve um final de verdade. Só fui descobrir isso depois de ver todos os capítulos, mas mesmo assim eu não consegui sentir que faltou um final. Acho que o final casou totalmente com o que a história queria passar. E cuidado, vou jogar o spoiler agora. 

Em todo momento, a solidão era uma questão importante. Shizuku, Haru, Natsume e Chizuru. Mesmo nunca tendo ido ao Japão, percebi que esse tema é recorrente em alguns filmes e na cultura popular urbana japonesa. Parece que o jovem de lá se sente mais solitário do que a maioria dos outros jovens, que já são bem solitários. Por isso, senti que esse tema foi tratado com bastante sensibilidade no anime. Mesmo com personagens tão jovens, a mensagem é passada de forma bem madura. Foi isso, principalmente, que fez com que eu, alguém que nunca tinha visto um anime shoujo, conseguisse entrar na história e tentar compreender os temas e personagens. 

No fim, não dá pra saber se Haru e Shizuku ficam mesmo juntos. Pode ser que esse final tenha ficado assim porque eles esperavam ter outra temporada, mas para mim foi perfeito. Shizuku descobriu que quando alguém é gentil com você, fica impossível tirá-lo da sua vida. E que a solidão nem sempre é boa. O fim foi como uma promessa de que todas as aventuras que todos passaram juntos vão continuar talvez para sempre. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s